sábado, 31 de dezembro de 2011

Feliz Novo Ano...


Vejo o tempo passar,
o brilho dos fogos ao céu,
a lua cintilante e linda
o sorriso das pessoas,
a energia contagiante,
o abraço vibrante,
o beijo enlouquecedor.

Chega o Ano novo,
começa tudo de novo,
mas diferente por favor.

Diferente no meu modo de ser,
no meu modo de ser feliz,
e que todos estejam juntos comigo,
num grande e perfeito sorriso.
 
E assim, ver-te chegar
como uma folha em branco
e meu lápis preto, negro,
a transcorrer em lindas palavras,
em adequadas linhas,
onde entrelinhas separam o tempo.

Vou continuar a ser feliz,
que escape do fim por um triz
que eu dure enquanto os olhos brilharem,
e sinta sempre a tua presença
a me abraçar para todo o sempre!

Feliz 2012!

sábado, 17 de dezembro de 2011

Fazendo a minha história...

Eu nasci uma folha em branco. Não sabia de nada, não via quase nada e nem entendia muita coisa. As únicas e verdadeiras sensações que tinha, eram as de carinho daqueles que estavam ao meu redor.

Dalí por diante, e durante algum tempo, alguém sempre anotou as coisas que eu fazia, as palavras que dizia, meu gestos e momentos tristes ou de plena felicidade. Muitas fotos completavam o álbum da boa infância.

Os primeiros passos da vida foram dificeis, como tudo na vida é. Mas sempre contei com um apoio fraterno e amigável de tantas pessoas que gostavam e gostam de mim.
Quando crecendo fui, passei a montar minhas palavras. Na escola cheguei, e de novo, tudo era novo. Novos amigos, adultos que ensinavam coisas diferentes, e que aprendi a chamar de "Tia", "Pró", e tempos depois, de Professor.

Muitos fatos se passaram e marcaram grandiosos momentos, do período infanti, ultrapassando a adolescencia, varando a fase adulta.

Muitos fatos, não consegui registrar completamente. Outros tantos passaram que nem fizeram efeito. Milhares não saem da cabeça.

Tive alguns amores, outras paixões. Doces sabores, dolorosas desilusões. Mas tudo com efeito de aprendizado, pra ter cuidado, num futuro não tão distante. Onde a violência cresce por amor, onde a cumplicidade desce, sem amor.

Percebi que alguns e bons amigos ficaram. Os outros se desvincularam parcialmente ou totalmente. Mas que também foram importantes para esse crescimento como ser humano.
Hoje, refletindo e relembrando toda a minha história, vejo que não é diferente a tua.

Todos nós passamos por muitas sensações semelhantes, que somos muito parecidos em alguma coisa. A diferença pode estar na condição de que, eu talvez, ainda na pequenez do meu ser, viva na busca de ser alguém melhor e um dia, quem sabe, poder acertar. Enquanto isso vou vivendo, errando e acertando, pra poder fazer a minha história. Seja aqui, alí ou em qualquer lugar que o mundo possa me levar.

Que o tempo passe e ultrapasse tempos e circunstãncias,  que cada dia seja diferente, para que eu continue fazendo e escrevendo esta a minha história.




sábado, 3 de dezembro de 2011

Tempo pra mim...


Quero tirar um tempo pra mim
olhar o vento, caminhar sozinho...
respirar fundo, nada fazer.

Curtir preguiça, fechar os olhos
contemplar o mundo,
deixar-me molhar, se chover.

Sentir que o tempo passa,
mesmo que eu esteja parado.
Esquecer a voz, ficar calado.

Sorrir do nada ou chorar em vão,
mergulhar na praia...
trancar o coração.

Sentir que eu sou eu,
Que a vida vai muito mais além
do presente que alguém já me deu.

Sou sonho perdido, noite em calor
pássaro rumo ao abrigo,
figura que o tempo desbotou.

(Mário Pires)

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

No meio dos arquivos..

Vasculhando uns arquivos, encontrei esse texto
escrito no dia 28/03/2011.
...



A força que traz o pensamento,
e faz do vento poesia
não é o mesmo que afaga o rosto
quando sente um desgosto
onde o corpo jazia.

Se a noite escura, no findar do dia,
mover os pensamentos de quem não o vê
sobra-te o lamento, da face vazia,
que a dor
nem prece curaria
ao ver-te desabar a mercê.

O barco desce o rio
carregando leves correntezas de sonhos.
Sem remo, leme ou cantil
simplesmente com dor do âmago
que sufoca amplamento o desejo.

Entre raios e Lampejos
dessas chuvas de verão
peito aberto, corpo inteiro
tempo frio, vira nevoeiro,
desmorona tua emoção.

 (Mário Pires)

sábado, 5 de novembro de 2011

Cabras da Peste!

Faço uma homenagem à duas personalidades nordestinas
que andam no mundo pregando a alegria e a poesia.
Os irmãos: Maviael ( http://maviaelmelo.blogspot.com
e Maciel Melo (http://www.macielmelo.com.br/).
Ambos, que tenho a felicidade de conhecer
pessoalmente, são verdadeiros exemplos
de luta e vitória.
Sucessos sempre!



Cabras da Peste!

Um matuta e ou outro também
labutando poesia
fazem versos sem desdém
com tristesas e alegrias.
são uns cabras do nordeste
verdadeiros "poetas de academia".

Com muita rima na cabeça
vão passando de lugar em lugar
fazendo firulas mesmo que anoiteça
e sem nunca desanimar.
Cabras bom de cabeça
pra tanta poesia formar.

Um dos mestres da rima
nosso querido Patativa
assim me ensinou:
"a gente canta o que pensa"
faz verso pedindo licença
fala da vida e do amor.

Esses cabras que eu "tô" falando
é sangue do mesmo sangue
juntos formam um grande elo.
Familia na poesia
noite a fora, noite e dia
são: Maviael e Maciel Melo.

Na vida,
venceram dia a dia
eis a prova, que passaram no teste.
Abro o sorriso e digo com alegria
Maviael e Maciel, esses dois...
verdadeiros Cabras da Peste!

[Mário Pires]

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Tenha Fé!


Trilhe seu caminho
Encare  o sol por onde for.
Não pense que andar sozinho
faz mal ao coração.
As vezes, o que precisas
são de passadas mais fortes
que cravem teus pés na areia.

Caminhe sem pensar,
pois, se pensar, podes desistir.
Respire fundo
e aproveite as sombras.
Elas te ajudarão no teu destino.

Aproveite o momento a sós,
entre você e você,
e contemple a natureza,
baile com o vento,
cante com os pássaros
dance como andorinhas.

Abra os braços,
abrace o mundo,
esbanje sorriso,
espalhe carinho.

A felicidade
está nas pequenas coisas
nos pequenos gestos,
nas pequenas flores,
até nos menores espinhos.

Se, souber controlar teus pensamentos
e manipular sua atitudes
perceberás o quanto da vida
ainda podes conquistar.

Não há dor que dure para sempre,
nem monotonia com tanta uniformidade.
As coisas acontecem naturalmente,
e o mundo precisa de você.

Tenha fé!

[Mário Pires]

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Amanhã...



Dizem que o amanhã a Deus pertence,
que o amanhã sempre vence
que no amanhã estão nossos sonhos.

E eu acredito ou tento acreditar
que esse amanhã vai ser verdadeiro
puro e sincero.

Que nele será realizado
tudo o que desejo
tudo o que quero.

Sei que nesse amanhã
haverão flores e espinhos
bem como sorrisos de alegria.

E quando ele chegar
que meu olhar será diferente
que o brilho seja intenso.

Que venha esse amanhã
pra que assim eu possar ser
muito mais eu, muito mais infinito. 

sábado, 1 de outubro de 2011

Certezas...

Muitas vezes busco na poesia a válvula de escape
para tantas emoções cotidianas.
Um texto escrito, com sentimento e lucidez
me faz pensar do quanto necessitamos
da poesia e dos ensinamentos dos grandes poetas.

"Certezas" de Mário Quintana, traz à reflaxão
do que realmente o ser humano deveria ter e
ser no seu dia a dia.

Que seja uma boa leitura!
Grande abraço!



Certezas...
Não quero alguém que morra de amor por mim…
Só preciso de alguém que viva por mim, que queira estar junto de mim, me abraçando.
Não exijo que esse alguém me ame como eu o amo,
quero apenas que me ame, não me importando com que intensidade.
Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim…
Nem que eu faça a falta que elas me fazem, o importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível…
E que esse momento será inesquecível..
Só quero que meu sentimento seja valorizado.
Quero sempre poder ter um sorriso estampando em meu rosto, mesmo quando a situação não for muito alegre…
E que esse meu sorriso consiga transmitir paz para os que estiverem ao meu redor.
Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém…
e poder ter a absoluta certeza de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos,
que faço falta quando não estou por perto.
Queria ter a certeza de que apesar de minhas renúncias e loucuras,
alguém me valoriza pelo que sou, não pelo que tenho…
Que me veja como um ser humano completo, que abusa demais dos bons
sentimentos que a vida lhe proporciona, que dê valor ao que realmente
importa, que é meu sentimento… e não brinque com ele.
E que esse alguém me peça para que eu nunca mude, para que eu nunca
cresça, para que eu seja sempre eu mesmo.
Não quero brigar com o mundo, mas se um dia isso acontecer, quero ter
forças suficientes para mostrar a ele que o amor existe…
Que ele é superior ao ódio e ao rancor, e que não existe vitória sem humildade e paz.
Quero poder acreditar que mesmo se hoje eu fracassar, amanhã será outro dia,
e se eu não desistir dos meus sonhos e propósitos,
talvez obterei êxito e serei plenamente feliz.
Que eu nunca deixe minha esperança ser abalada por palavras pessimistas…
Que a esperança nunca me pareça um “não” que a gente teima em maquiá-lo de verde e entendê-lo como “sim”.
Quero poder ter a liberdade de dizer o que sinto a uma pessoa, de poder
dizer a alguém o quanto ele é especial e importante pra mim,
sem ter de me preocupar com terceiros…
Sem correr o risco de ferir uma ou mais pessoas com esse sentimento.
Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão…
Que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades e às pessoas,
que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim…
e que valeu a pena.
(Mário Quintana)

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Tempo...



Tem coisas que não voltam no tempo
Tem coisas que o tempo não deixa voltar.
Quisera controlar o tempo
pra ver o tempo voltar.
(Mário Pires)

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Sorriu pra mim..



Entre cestos à luz do dia
Escondida entre os jasmins
entre brechas e fendas finas
Percebia um brilho no fim.

No olhar meio que perdido
te encontrei linda bem assim
E te trouxe para o meu abrigo
só por que sorriu pra mim.

[Mário Pires]

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Quem dera ser teu Anjo



Quem dera ser teu anjo
Pra ter asas e aos céus te levar
Sentir o vento, realizar teu pensamento
Durante a noite, te velar.

Proteger-te do perigo
conceder-te abrigo
dar-te um ombro amigo
te consolar.

Fazer-te de teus dias uma alegria
ser tua doce companhia
de carinho te preencheria
de verdade te amar.

Ser teu eterno protetor
livrar-te da dor e do sofrimento
e no impetuoso frenesi do calor
Adentrar-te com furor, ser teu complemento.

Em todos os tempos estar ao seu lado
sentindo a desejar minha presença
que o amor seja meu aliado
e nunca te deixar minha sentença.

[Mário Pires]

domingo, 28 de agosto de 2011

Sou a lenda...



Preciso do meu sorriso
Antes que a noite se vá
é nele que me sinto vivo
sem ele, vida em mim não há.

As estrelas começam a esconder-se
a lua já foi dormir
com ela levou meus sonhos
sozinho deixou-me aqui.

O céu vai ficando amarelado
quando os raios do sol vem invadindo
vai-se as trevas, tempo atordoado
azul, vermelho colorindo.

Antes que minha pele entre em chamas
meu ultimo suspiro vou soar
sou um tolo que ninguém ama
sou a lenda antes a voar.

(Mário Pires)

sábado, 27 de agosto de 2011

Pra quem pode levantar



Abri teu coração
E conta-me a noite perdida
Faz de mim teu irmão
E da maçã dai-me uma mordida

Do doce azedo sabor
Que a vida lhe conduz
Ergue teu corpo com fervor
No final sempre há uma luz

E se o tempo não for completo
Respeite quem dele usufrui
Amor de mãe vem do feto
Que quando cresce não diminui

E se o amor que sentires
Alguém o desprezar
Choras ao vento, migalhas são fermento
Pra quem quer e ainda pode levantar.

[Mário Pires]

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

O mundo e o tempo...


Depois de um bom tempo sem escrever aqui no blog, estou de volta.
Espero que com força total. Adoro escrever e expressar meus pensamentos.
Sei que muitos de vocês gostam também. Externam isso pra mim e isso me deixa
bastante feliz. Obrigado pela atenção e carinho de todos.
Grande abraço!
:0)


O Mundo e o tempo...




Por Mário Pires (*)
Quanto vale seu tempo? Acordamos a cada dia como se não tivesses dormido. Como se tivéssemos tirado apenas um cochilo e voltamos a toda uma rotina profissional. Colocando o trabalho, quase sempre, em primeiro lugar. E assim, esquecemos de viver, de estar com pessoas queridas, sejam amigos, familiares e ou parentes.
Vivemos estressados! Está é a verdade. Dormimos pensando no trabalho, e trabalhamos pensando na hora de dormir. O cansaço sempre está ao nosso lado.
Este envolvimento profissional tem nos tirado o que de fato viemos fazer aqui neste mundo. Pelo menos, na minha concepção, não estamos aqui somente para construir prédios, ganhar dinheiro, ter um carro luxuoso, ou uma casa bonita que a do seu amigo. Ter a roupa melhor, o perfume ideal, o sapato importado, a melhor bicicleta, o melhor caderno, etc.
Infelizmente, é isto que tem acontecido com a maioria das pessoas. São sufocadas pelo trabalho, pela falta de tempo, pela compulsão de estar sempre em atividade.
Claro que quanto mais trabalho, consequentemente, mais responsabilidades, compromissos e menos tempo.
Estive a refletir sobre a necessidade de tudo isso. Percebendo nas pessoas o quão elas se entregam ao trabalho e esquecem tantas outras coisas boas que a vida tem a oferecer. E tudo passa a ser para “quando tiver tempo”.
O dinheiro não traz a felicidade. Mas proporciona sim momentos felizes, claro que sendo utilizado com responsabilidade, traz sim. Mas ainda assim, dinheiro não é tudo. É preciso ter amigos, é preciso ter amor, é preciso ter família, é preciso que gostem da gente pelo que somos e não pelo que temos. Afinal, atenção verdadeira não se compra. Carinho sincero também não.
E o tempo passa meus queridos. E ele, na maioria das vezes, é cruel com você.
Faça um balanço de sua vida. O quanto tem aproveitado dos pequenos e simples momentos em família, ou com quem você gosta, ou ajudando quem um dia já te ajudou.
Tome banho de rio, caminhe na praia, aprecie a natureza, contemple o sol, tome um “banho de lua”, sorria, faça as coisas com amor e prazer. Reclame menos, ainda que sua situação não seja das melhores. Apenas acredite que uma hora tudo pode mudar. Acredite em Deus! Ele sabe de todas as coisas.
Viva o dia a dia com responsabilidade. Sonhe sim com dias e coisas melhores. Mas sonhe junto. Compartilhe com emoção e valorize quem te incentiva, te apóia e quem te sorri com sinceridade.
Tudo é uma troca nessa vida e em qualquer outra. Se deres carinho receberás também. Se deres frieza, grosseria ou esnobação, receberás de volta também.
Sua passagem por aqui é breve, ainda que chegue a uma idade avançada. E o mundo continuará o mesmo, ou até mudará um pouco. Mas aproveite o tempo para não somente viver, pois qualquer um vive. Aproveite-o para ser feliz.
Ame quem te ama. Adore quem te adora. Sorria pra quem te sorri, chore pra quem te chora, abrace quem te abraçar. Peça perdão a quem magoaste e perdoe quem te magoou.
Pense positivo, sempre! Pois ainda que seus sonhos demorem a ser realizados, sinta a felicidade de poder sonhar.
Seja, simples, e simplesmente feliz.

(*) Gestor de marketing, cantor, compositor e poeta.

sábado, 23 de abril de 2011

Nós somos os índios de ontem




"Quem me dera ao menos uma vez, ter de volta todo ouro que entreguem a quem conseguiu me convencer que era prova de amizade,... nos deram espelhos, e vimos um mundo doente".

Primitivos nesta terra, os índios retratam uma história de inocência e igenuidade perante os espertos portugueses que aqui chegaram, dizendo, terem descoberto o Brasil.

Com uma caravela recheada de homens muito mais perigosos do que se imagina, tais desbravadores, ludibriaram os tupi-guaranis com presentes e iguarias de sua terra branca.
Segundo a história, espelhos e apetrechos para vestimenta e peças de culinária eram os mais preferidos pelos índios bobinhos, que não percebiam a verdadeira intenção dos peles brancas.
E assim, está escrito... e quinhentos e onze anos se passaram.

Hoje, 19 de abril, Dia do Índio, não há o que comemorar. Índio é minoria! Em tese sim. Mas na prática não.

Nós nos tornamos os índios de outrora. Nós, refiro-me aos negros, brancos, amarelos, pardos, homens, mulheres, jovens e adultos, ou qualquer que seja a sua denominação.
A massa brasileira é toda índigena, por que é inocente, ingênua... (entre aspas) "bobinha"!
Enagnada pelo novo grupo de portugueses titulados de políticos. Elementos que "aproveitam" da nossa nobreza para usufruir de nossos melhores bens. O direito de viver com qualidade.

Antes, tais portugueses de época, enganavam com pequenos presentes. Hoje, ainda é assim. Muitos dos nossos brasileirinhos são enganados ao voto, com presentes de todo tipo; seja saco de cimento, milheiro de blocos, promessas de emprego, ou ainda promessas de um futuro melhor.
Assim como roubaram a qualidade de vida daqueles pobres índioszinhos lá mil e quinhentos, roubaram e roubam a nossa, dia após dia, hora após hora, noite após noite.

E por tal motivo, é que a minoria manda lá em Brasília, nas câmaras do senado e deputados federais e estaduais, além de vereadores e prefeitos de todo o país, conquistadas através de muita enganação, trambicagens, maracutaais em cima desse povo ingênuo chamado de povo brasileiro.
Para que nos tornemos muito mais fortes do que os "caras pintadas" de uma época, é preciso renunciar esses míseros presentes ou falsas promessas, tituladas de mudança, progresso, etc etc...

Eu, tento acreditar que um dia, ainda que demore, conseguiremos mostrar à esta nova classe de (entre aspas) "portugueses" do colarinho branco, principalmente lá em Brasília, que o povo é o verdadeiro cacique deste mundo de meu Deus.

Não há como negar que, com tanta cara pálida por aí, se dizendo o salvador da saúde, da educação e da fome,.. muito presente ainda vai ser dado. E você, estará entregando o ouro, nas mãos do ladrão que não usa arma, mas sim, uma lábia muito bem armada.

* Poeta, Compositor e Gestor de Marketing.
(Texto publicado no Jornal Diário da Região em 20 de Abril e em vários blogs da região)

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Noites sem coração...



A escuridão do tempo
toma por completo o desejo
Move o mundo em lampejos
estraçalham os dias.

À noite passaros não cantam,
flores não dançam, no céu só a luz da lua
anéis sem planetas, meteoros são comentas
estrelas não brilham na face tua.

Se aperta o peito com a dor da ausência perdida
gritas por essa espada que invade
maldita dor que arde
textos sangrentos causador de feridas.

Ante um ser perfeito, imaginário que quem não existia
transforma-se de palhaço do riso
sem casa, lar ou abrigo
um pobre palhaço sem alegria.

E enquanto o dia não amanhecer
Será, tu da noite e a noite será tua
Teus sonhos podem não acontecer
pois o coração sangra enquanto a vida "senta a pua".

[Mário Pires]

quinta-feira, 31 de março de 2011

Que alguém me chame...



Onde houver alegria, que alguém me chame...
para que junto possamos liberar inúmeros sorrisos...
e fazer daquele instante, um momento único em nossas vidas.
Onde houver
amizade, que alguém me chame...
para que possa abraçar e ser abraçado por um grande amigo.
Onde houver
carinho, que alguém me chame...
para extrair de mim, o melhor que eu possa dar.
Mas onde houver
lágrimas, que alguém me chame...
para que juntos possamos derramá-las e enxugá-las posteriormente.
Onde houver
triseza, que alguém também me chame...
para que, com fé, possa levar forças positivas e trazê-la à alegria.
Onde houver
dor, que alguém me chame...
para dividirmos, ainda que em pesamentos, e amenizar a dor.
Onde houver
, que alguém me chame...
para de joelhos dobrados ou não, unamo-nos e pról do bem.
Onde houver
amor, que alguém me chame...
para compartilhar toda paz que o amor trás e admirá-lo
como o maior bem que alguém possa ter.
E
onde você estiver, para que possamos estar juntos
nos momentos de alegria, amizade, lágrimas, tristesas,
dor, fé e amor... que alguém me chame.


[Mário Pires]

sexta-feira, 25 de março de 2011

A verdade



Alguns querem sempre ouvi-la
outros preferem omiti-la
Dizer pode ser um espamo
Ou até mesmo um marasmo.

Noites frias provocam o silêncio
onde a verdade mostra-se escondida
Míseros momentos parecem fagúlhas
De que vive ao léu sem tempo.

D'onde tu vens sem a verdade em teu peito?
Exijo-te um punhado de respeito no meio desta mutidão
Imploro-te que não me escondas, lança-te no mar sobre essas ondas
e deixa que transformo os versos em canção.


[Mário Pires]

terça-feira, 22 de março de 2011

O Amor é uma planta...




O Amor nasce verde esperança,
como se tudo fosse por acaso
Cresce com tanta bonança,
e faz sombras aos pensamentos.

Fica forte quando regado,
envolvendo-se por inteiro
Deixa leve para os pássaros,
no cantar do amanhecer.

Refresca o corpo em prazer,
acalma, adoça, transpassa do infinto.
É que nem algodoeiro em jardim,
que nos arbustos suas pétalas invadem.

Quanto mais cuidados se tem
os laços vão aumentando
e se a dor trasncende o peito
só quem amou pode saber.

Amar por amar não no paraíso
onde plantas são perfeitas e belas
folhas rosas, toda cor, mesmo que tenham espinhos
para que penosamente aprendamos a conviver.

Quão mais forte ele se impõe
mais coragem é preciso à conduzí-lo
e do topo da planta mais frondosa
verá do céu a beleza do sol.

O maior adubo do amor
é o mesmo que a planta necessita
carinho e atenção é sempre bom
pra vê-lo florescer em todas as estações.

[Mário Pires]

segunda-feira, 21 de março de 2011

O fim do Oásis...



Vejo a distância me tomando por completo
Longe das dunas que o vento cria em cada canto
Felicidade é um abraço, carinho é afeto
Dor, é quem sorri do meu pranto.

Se ora vejo o barquinho em retirada
sinto o aroma da flor num potinho de areia
O oasis que havia no deserto
quiçá, já não mais corre em tuas veias.

O corpo tomba ao chão
enquanto rios correm pelo rosto
quiserá ser o oposto
pra não machucar o coração.

[Mário Pires]

sexta-feira, 18 de março de 2011

..:: Imaginar ::..



Flutuar pelas "ondas" dos ventos
refutar verdadeiros sentimentos
Caminhar de mãos dadas na lua
Arrepiar-se ao tocar a pele tua.

Trovejar pelas noites em chuva
temporais em lágrimas sem fim
Submeto-me ao sumo da uva
elevando as sensações que há em mim.

Voa meu balão pelo espaço desconhecido
entrega-te a paz e à luz que te ilumina
fazes do amor um ombro, um abrigo
fazes da vida uma obra... uma obra prima.


[Mário Pires]

terça-feira, 15 de março de 2011

Meu sono...




Juntei os ombros ao travesseiro,
ajustei-o confortavelmente
uma coisa que eu odeio
é deitar com “tralhas” na mente.

E quando isso acontece
Sigo o rumo do amanhecer
noite fria, lua clara, nua pele
em meus olhos faz nascer.

Pois dormir...
não é o simples ato de fechar os olhos
é libertar a mente, depois de um banho quente
é como navegar nas águas de abrolhos.

E no sono profundo
Sou barco em correnteza
Pena branca com sua leveza
Pássaro livre voando no céu.

Quando desperto do descansar corporal
Faço, geralmente, o hábito matinal
Rezo, desejo e quero
Que mais um dia seja normal.

[Mário Pires]

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

A gente tem tempo...



A gente tem um tem um tempo pra nascer
a gente tem um tempo pra crescer.
A gente tem um tempo pra sorrir
como também um tempo pra dividir.

A gente tem um tempo pra sonhar
a gente tem um tempo pra gostar
a gente tem um tempo pra amar
e as vezes o tempo de decepcionar.

A gente tem um tempo de felicidade
a gente tem um tempo de verdade
a gente tem o tempo da caridade
e tempo também de ansiedade.

A gente tem o tempo pra entender
a gente tem um tempo pra esquecer
a gente tem um tempo pra sofrer,
tem o tempo até morrer.

A gente tem o tempo da paixão
tem o tempo também da desilusão
a gente tem um tempo de coração,
a gente tem tempo de opinião.

A gente tem um tempo de dor
a gente tem um tempo de calor
a gente tem o tempo que for...
desde que esse tempo seja de amor.

A gente tem tempo pra tudo...
por que pra tudo...
sempre existe um tempo.

[Mário Pires]
Madrugada de 14 Fev - 02h55

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

"Colombina eu te amei..."



Tantas folias carnavalescas foram embaladas por esta canção. Tantos amores e dissabores resultaram das peripécias de um pierrô em meio a multidão, com sua fantasia característica de um "malandro" em reverência ao mômo mandão.


Além dessa, tantas outras canções mexeram com os corações de um povo sofrido, alegre e aguerrido, quando se vê livre em meio à avenida, de abadá - antiga mortalha, exclusivas pipocas... verdadeiro folião.

Os sorrisos eufóricos de um amor platônico ao som das marchinhas que se transportaram para uma pequena fobica, que ao passar dos anos, fez a multidão ao seu redor cantarolar "Dodô, Dodô... antes do trio a guitarra ele inventooooou... Osmar, Osmar..o carnaval veio trielitrizar"...

Quanta alegria se perderá por um tempo!

Quando saudade provocará verdadeiros lamentos!

Mesmo que saudosa as belas canções, de uma época sem duplo sentido, onde as músicas tinham algo mais envolvido, coisa no pé do ouvido, repleto de amor e alegria.
Frases perfeitas que se encaixavam ao contidiano da folia momesca.

Vou mais longe ainda, de uma época em que não vivi, mas ouvi, onde as paqueras surgiam da simples brincadeira, do molhar a garota ou garoto, e dalí um olhar romantico moroto, um afago direto, um "pegar de mão" ou quem sabe até um passeio na praça.

As escolas de samba com suas lindas morenas, negras, mulatas, e um rebolado alvoraçado, um tanto sem malícia, mas, provocante, irradiava as ruas ao som das batidas dos surdos, caixas e pratos no meio da euforia alegórica.

E o tempo passou, e a "minha pequena Eva" ganhou o mundo, provocou sensações diversas, exaltou a alegria de quem merecia e necessitava do prazer de viver.
Aqui, na Bahia, celeiro da música da alegria, pai e mãe do axé, que viu do "deboche" de Luiz Caldas exaltando a "nega do cabelo duro", tem na pele, no corpo a diferenciada adrenalina que fascina o restante do mundo.

Saudosamente, minha querida Colombina, um dia vi Marly na Banda Mirage, bela e loiramente cantando arrastando multidões por esta terra a fora.

Terra esta, no passado brasileiramente chamada de "Terra da Alegria", que hoje sofre de melancolia, por sentir a ausencia de tua companhia.

Choras pela falta da estravagancia na emoção, do pular ao teu lado ou atrás do trio elétrico lotado, deixando um beijo na boca de lembrança, nessa "Zorra".. em "mimar você".

Sem muitos arrodeios, utilizo todos os meios pra dizer-te: que feio é ficar sem ti.

Onde quer que estejas minha querida Colombina, "no corredor da história, na Vitória, Lapinha, Caminho de Areia", irei te esperar, e serei para ti um pierrô muito mais feliz.
Só não te esqueces, nem por um triz, óh amada, querida Colombina!... que "eu te amei... mas (ele) não quis".

Até quando houver carnaval!


(*) Mário Pires é poeta, compositor e gestor de marketing.
Escreve em seu blog: http://linhasinversas.blogspot.com/
e no Recanto das Letras Uol:
http://recantodasletras.uol.com.br/autores/mariopires

Pensar em ti...










Os tempos passam e as noite também. O ciclo da lua e o alvorecer do novo dia nos possibilita uma longa caminhada entre os ventos e pensamentos.

Em meio a caminhos sinuosos cotidiano, as vezes nos pegamos a refletir na entrega parcial que realizamos, seja ao trabalho, à família, aos amigos, ou até mesmo às pessoas que gostamos.

Um dia, depois que esta ampulheta da vida nos mostra a verdade, somos pegos de supresa pelo tempo que gastamos ao nos dedicar às atividades cotidianas, às pessoas ao seu redor, e percebemos subtamente que gastamos pouco tempo conosco, pensando em si.

Percebemos que nos excluimos do verbo amar, vivendo freneticamente o doar.

Pensamos nos outros; ajudamos o mundo, tentamos fazer felizes as pessoas ao nosso redor, cuidamos dos filhos, celebramos a vida com os amigos, criticamos o inimigo... simplesmente vamos vivemos.

Diante de emocionais pensamentos, somos levados a um túnel vertical onde nossos sorrisos se fecham e a luz do sol se torna em penumbra vazia. Sentimo-nos em silêncio, onde em outros tempos, haviam vozes.

E agora?? o "tudo" que fizemos foi em vão? Usufruimos destes momentos ? Lamentaremos a decisão do destino? Envolveremos torres de circunstâncias em busca do culpado? Ou viveremos a construir um novo momento onde estaremos incluso?

Seja você seu melhor amigo, ainda que o egoismo lhe tome a sensação da amizade compatilhada. Divida-se em partes, mas que a maior parte seja sua, plenamente sua.

Se achares que o tempo que tu permites doar está sendo em vão. Sem coração: tome-o de volta à ti.

Daí por diante, busques, entre a lama, o melhor barro para erguer um novo pote, afim de preenchê-lo com a melhor água do seu rio, e que essa água lhe traga paz e harmonia. Extraindo toda angústia de uma falsa alegria outrora ofegante. Que no seu jardim brotem as melhores flores e que dela surja novas e verdadeiras amizades.

Um dia, aquilo que parecia alegria ou felicidade, irás perceber que não era maldade. Descobrirás que foi verdadeiro, e no futuro será meramente um passado nostáugico.

Doar-se é um verbo e atitude perfeitamente plausivo!

Mas, nunca esqueças de ti.

Pensas em ti primeiro.

[Mário Pires]

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Descobrir o que é amar















Descobrir o que é amar
é muito mais do que sentir a dor no peito,
na garganta olhando ao espelho,
das lágrimas escorrendo pela face.

Descobrir o que é amar
é muito mais do que sorrir pelos cantos,
abrir os braços e gritar em prantos
é muito mais do que na chuva dançar.

Descobrir o que é amar
é perceber o verdadeiro estado de espírito...
que nos faz suspirar sem motivo,
que nos faz abnegar o real e viver na ilusão.

Descobrir o que é amar
é nos manter em plena emoção
é viver completamente envolvido,
entre coisas e motivos que afetam o coração.

Sem perceber, descobre-se o que é amar.

E assim, vai amando.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Atrás do mundo...



Vou correndo
atrás do mundo,
por que na frente dele...
estão meus sonhos.

[Mário Pires]

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Ex-amigo



Como podes chamar ex-amigo
alguém que lhe tem por interesse.
Que te olha por outros caminhos,
que te precisa ante o pão e o vinho.

Como podes chamar ex-amigo
alguém que te oferece o abrigo
e que te demonstra consideração,
mas o abandona em meio a execução.

Como podes chamar
ex-amigo
quem te parecia dócil e sorridente,
quem o definia como forte e eloquente,
e o ignora em atos e atitudes em tempo actual.


Como podes chamar
ex-amigo
alguém que dá a mão quando pedes ajuda,
diante do sol, em meio a chuva,
mas te abstem de poucas palavras.

Como podes chamar
ex-amigo...?

Teu coração custa a descobrir.
Mas em verdade, em verdade vos digo,
não existe "ex"...
pra quem nunca o estimou assim.


[Mário Pires]

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Ao amor não correspondido




Quando sentires aquele aperto no peito
E perceber que do amor foi excluído,
Assim: largado perdido,
será reflexo da dor que trás consigo.

Uma dor que não é algo traduzido
sangrando, marcado, ferido,
que não encontra um menor abrigo,
e nem consegue pisar ao chão.

Talvez,
nem mesmo o que eu diga,
vai sarar sua ferida...
vai mudar seu coração.

Dê o tempo ao tempo...
que um novo amor há de bater a sua porta.
De onde vem? Não mais importa!
E desaparecerão a dor e o lamento, que incomoda.

Não se desespere! Espere.
E quando novamente
ouvir os sinos do amor tocar
Seus olhos para outro alguém irá brilhar

Pense...
Será que o amor me pegou de jeito?
Acredite...
sumirás essa dor do teu peito.

Cada dia que amanhece é o momento... é a hora.
Essa mágoa mal resolvida se liberte desde agora
É só uma brincadeira do destino,
Que faz isso pelo mundo a fora.

Sei que vais novamente ouvir
O tão grande e esperado: Eu te amo!
Bem ao pé do ouvido... preste atenção no que eu digo:
Te levará a outros planos!

Um homem com tanto amor pra dar
Nunca fica sozinho
Pois é fácil de se encontrar
Alguém desejando seus carinhos

Talvez ela esteja ao seu lado
E seus olhos ainda não possam perceber
Não gosto de vê-lo assim, meu amigo
Pois sei de sua alegria de viver.

Hoje, triste por uma história que finda
Não lamentes, pois tens bom coração.
Tenha a certeza que você és um príncipe nessa vida,
neste mundo, onde falta compaixão.

Sem que percebas
encontrarás novamente o amor
pode ser plebéia ou uma linda princesa
mas voltarás a ter fervor.

Sem contos de fadas e sem utopias
saibas que a mulher perfeita nunca existirá
Com qualidades e defeitos ame-a todos os dias
Que amor pela vida inteira irás encontrar.

[Mário Pires e Zane Said]

(Poema em parceria poética com
Zane Said - http://recantodasletras.uol.com.br/poesiasdeamor/2727122)
Obrigado Zane pela oportunidade.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Não mais perecer



Do alto da janela
entre núvens e canções
preso em palavras ou grilhões
via o tempo passar.

Cordões em meus braços
mar, rio, espaço ou lago
água zul, barrenta amarelada
brilha sobre a luz dos olhos meus.

Onde o sol se punha
uma luz cintilante escurecia
mostrava-me que o dia jazia
sem os aplausos de quem o mais usufrui.

Na colina sagrada
onde os sonhos não dormem
já não soavam mais as mesmas notas,
não mais perdia-se o sono.

E assim, como o sol que partia e a noite que nascia,
cultivei o tempo...
desejando a todo momento
não mais perecer.

[Mário Pires]

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Tenho medo...



Medo da dor, medo do amor
Medo do sabor, medo do calor
Medo da fé, de ficar em pé.

Tenho medo de cair,
Medo de fugir, medo de voltar
Medo de zoar, medo de me queimar.

Medo de beber, de ter você,
de ser você, de querer ser,
Tenho medo de perder!

Tenho medo de lutar,
Tenho medo do escuro,
De subir no muro, em cima dele ficar.

Medo de sorrir, medo de chorar.
Medo de voar, de navegar,
De naufragar, no rio... no mar.

Tenho medo do que se perdeu,
Medo de não ser eu,
De não saber falar.

Enfim... tenho medo.
Mas quem não os tem?


[Mário Pires]